Dízimo

Dízimo

0

Origem

Pela primeira vez a palavra “Dízimo” aparece na Bíblia, no livro Gênesis 14,18-20.

Ali é citado que Melquisedeque, rei de Salém e sacerdote de Deus Altíssimo, abençoou Abrão e este deu-lhe o dízimo, 10% de todos os seus bens, em agradecimento a Deus pela sua assistência nas lutas contra os inimigos.

No Antigo Testamento

Várias são as passagens no Antigo Testamento (AT) que falam sobre o Dízimo, as quais poderão ser explicitadas em momentos oportunos. Por agora, citar-se-á apenas algumas.

Caim oferecia alguns frutos e Abel, os melhores frutos. Deus se agradava com os frutos oferecidos por Abel por sua generosidade, mas não com os de Caim, que tinha más intenções e coração de pedra.

Quando se fala em generosidade divina, a expressão encontrada em Malaquias 3,10-11 é um forte referencial para a consciência da importância do Dízimo, porque é Deus que oferece seus dons ao ofertante do Dízimo.

Muitas vezes o Dízimo é até tratado como um imposto, cuja finalidade era o sustento das atividades do templo e a partilha com os que mais necessitavam de recursos para sobreviver (o levita, o estrangeiro, o órfão, a viúva).

Assim, a partir da fé em Deus e da generosidade da pessoa se estabelecia um princípio de fidelidade periódica do compromisso entre a pessoa e Deus, em benefício da comunidade. O Dízimo acabou tornando-se obrigatório.

No Novo Testamento

O Novo Testamento (NT) pouco fala sobre o Dízimo.

Talvez a passagem mais enfática esteja em 2 Coríntios 9,7: “Cada um dê conforme decidir o seu coração, sem pena nem constrangimento, sem medo e mesquinhez porque Deus ama quem dá com alegria”. Aqui a generosidade está inteira exposta, sem estabelecer amplitude nem limites. O coração é que decide para que haja alegria. Não há imposição alguma. Quando Deus pede, o coração responde.

É bastante conhecida a expressão “Daí a César o que é de Cesar e a Deus o que é de Deus”, frase esta pronunciada por Jesus ao ser questionado pelos fariseus sobre o imposto ao imperador romano (Mat 22,15-21). Indiretamente é o Dízimo que estava sendo questionado e não apenas o imposto romano. O que Jesus ensina aqui é que um coração consciente conhece as necessidades de seus irmãos, da sua comunidade e corresponde na hora da partilha dos seus bens.

A Igreja praticou o Dízimo com os primeiros cristãos e foi abandonando progressivamente esta prática. Somente no Concílio Vaticano II é que novamente foi recomendado o retorno desta prática.

Destinos do Dízimo

Os valores oferecidos pelos fiéis como Dízimo tem três importantes destinos: Dimensão religiosa, dimensão social e dimensão missionária. O quanto será destinado a cada dimensão é a paróquia que defini em função das necessidades que se apresentam.

Dimensão RELIGIOSA: o dízimo é destinado à manutenção de tudo o que é sagrado, da igreja (hóstias, vinho, flores, velas, luz, limpeza, material, água, telefone, conservação, salários, côngruas) e tudo que diz respeito à realização do culto divino. A paróquia também paga seu dízimo para a Arquidiocese.

Dimensão SOCIAL: Parte do dízimo deverá a ajudar os mais pobres da comunidade e também os de outras, especialmente através dos trabalhos sociais da comunidade.

Dimensão MISSIONÁRIA: A catequese, a atividade missionária, o envio de missionários, o ensino e formação de agentes e lideranças da paróquia são atividades importantes para a manutenção e crescimento da fé na comunidade. O anúncio da Palavra de Deus tem custos que devem ser cobertos pelo dízimo.

 

PRINCIPAL DIFERENÇA ENTRE “DÍZIMO” E “OFERTA”

Dízimo

Conforme o NT, o valor é definido pelo coração, mas existe o compromisso com Deus quanto à periodicidade. Por exemplo, quem recebe seu pagamento mensalmente fará sua contribuição também mensalmente.

O Dízimo deve ser levado à igreja como gratidão pelos dons que Deus dá à pessoa.

Oferta

A oferta é espontânea, não tem valor definido e não é periódica.

 

ATIVIDADES NO SANTUÁRIO

Equipe de trabalho

Existe um grupo de pessoas que se dedicam ao relacionamento com os dizimistas. Participe conosco, estamos lhe fazendo este convite.

As atividades são:

Nos ofícios religiosos:

1 – Atender dizimistas por ocasião dos ofícios religiosos;

2 – Conscientizar e orientar fiéis quanto aos procedimentos do dízimo;

3 – Gerar textos e mensagens sobre a espiritualização do dízimo e divulgar aos fiéis.

Nos controles cadastrais:

4 – Manter cadastros de dizimistas e seus familiares atualizados;

5 – Receber o dízimo dos dizimistas, fazer o correspondente registro nos arquivos próprios e prestar contas ao pároco;

6 – Fazer prestação de contas do dízimo mensalmente para a comunidade.

7 – Divulgar periodicamente o cadastro de dizimistas.

 

Na comunicação:

8 – Fazer comunicações sociais: datas de aniversário, casamento batismo, falecimentos, natal, cartas de lembrança, de agradecimentos, calendários, etc.;

9 – Promover missa comunitária dos dizimistas com animação;

10 – Gerar cartazes com frases significativas sobre o dízimo;

11 – Dar tratamento especial às famílias de catequizandos;

12 – Pesquisar testemunhos e promover os respectivos depoimentos de dizimistas sobre o efeito dízimo em suas vidas.

Relacionamento extra-equipe:

13 – Relacionamento com equipes de dízimo de outras paróquias e com a Cúria Metropolitana;

14 – Relacionamento com as outras pastorais da paróquia: conhecer todos os eventos programados das outras pastorais.

Na correção de distorções:

15 – Buscar as razões do afastamento de dizimistas e encontrar meios de corrigir distorções encontradas;

16 – Fazer contatos com as famílias de dizimistas.

Na formação própria:

17 – Aproveitar o próprio tempo livre para interpretar textos bíblicos sobre o dízimo;

18 – Participar dos cursos de formação bíblica sobre o dízimo;

19 – Dar publicamente testemunho próprio sobre sua vida e o dízimo.

Plantões

Para atendimento aos dizimistas a equipe estabelece plantões que operam durante todas as missas de fim de semana. O plantonista está presente 15 minutos antes e após cada missa.

Reuniões de equipe

São realizadas trimestralmente reuniões para tratar dos assuntos que norteiam as ações que envolvem o dízimo na comunidade.

Participação externa

Na ocorrência de reuniões e seminários sobre o dízimo a nível de Arquidiocese ou de Setor  o Santuário envia um ou mais representantes para se inteirar das orientações e repassá-las ao Santuário e à equipe.

 

Envie sua Mensagem